Atividades da VI Semana da Visibilidade Trans

A Rede Trans Brasil realizou de 29 a 31 de janeiro VI Semana da Visibilidade Trans – Hanna Susart e estiveram presentes filiades da Rede Trans Brasil dos estados de Sergipe, Amazonas, Goiás, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Rio Grande do Norte, Pará e Mato Grosso.  A primeira atividade foi nosso Ato Público em frente ao Congresso Nacional, com o tema “Morte física e social de Pessoas Trans no Brasil”. O ato simbólico iniciou às 12h30 e se encerrou às 14h com uma transmissão ao vivo de Lançamento do Dossiê de 2019: “A Exclusão das Identidades e das Existências de Pessoas Trans – Da Morte Social à Morte Física”, da Rede Nacional de Pessoas Trans (facebook.com/redtransbrasil) e a Publicação do Documento no site.

“Saúde Mental da População Trans” foi o tema de debate promovido pela Rede Trans Brasil e o Conselho Federal de Psicologia (CFP), no dia 30. O evento foi transmitido às 17h ao vivo pelo Facebook da Rede Trans e do CFP.  O objetivo da atividade era discutir a temática, para que psicólogas e psicólogos se apropriassem das questões específicas da saúde de pessoas trans no Brasil, sobretudo, sob a ótica dos efeitos da violência e da transfobia bem como sobre saúde mental da população trans como um todo. O debate on-line também tratou dos 2 anos da Resolução CFP nº 01/2018, publicada em 29 de janeiro de 2018.

Debatedoras e debatedores foram indicades mutuamente pela Rede Trans e CFP e contou com Jesus Moura (Conselheira e membro da Comissão de Direitos Humanos do CFP, umas das fundadoras Articulação Nacional de Psicólogas/os Negras/os e Pesquisadoras/es – ANPSINEP); Júlia Pires (Mulher trans e militante do movimento trans do estado do Espírito Santo; Conselheira do Conselho Regional de Psicologia do Espírito Santo, Vice-presidente do Conselho LGBT+ do ES); Arthur Fernandes Sampaio (Homem trans e militante, Membro da Articulação Nacional de Psicólogas/os Trans – ANP Trans); Beth Fernandes de Souza (Mulher Trans; Psicóloga e Mestre em Saúde Mental pela Universidade de Campinas-SP, presidenta da ONG Astral e do Fórum de Transexuais de Goiás, Coordenadora de Educação da Rede Trans Brasil); Daniel Coelho Silva Brandão (Homem Trans, Psicólogo Clínico, Conselheiro do XVI Plenário do Conselho Regional de Psicologia de Pernambuco).

Logo após as ricas falas de cada uma e cada um, seguiu-se o debate, que foi mediado e teve as provocações de Ana Sandra Fernandes (Presidenta do CFP).

No dia 31, às 10h, filiades da Rede Trans Brasil estiveram na Sede da Delegação Oficial da União Europeia no Brasil para Audiência oficial de Entrega e discussão do Dossiê 2019, juntamente com convidadas e convidados do Conselho Federal de Psicologia e da Comissão de Direitos Humanos da Camará Federal, com o intuito de provocar a responsabilidade do estado brasileiro, por meio dos países que possuem tratados internacionais de compromisso aos direitos humanos de populações marginalizadas, violentadas e excluídas da sociedade com é o caso das pessoas trans no Brasil. Estiveram presentes representantes da França, Holanda, Bélgica, Áustria, Portugal, Alemanha, Suécia. A coordenação da audiência foi realizada pela Chefe de delegação Adjunta da União Europeia no Brasil, a senhora Ana Beatriz Martins, e pela Chefe da Seção de Assuntos Políticos, Econômicos e Públicos, Domenica Bumma.

Além da entrega simbólica do Dossiê de 2019: “A Exclusão das Identidades e das Existências de Pessoas Trans – Da Morte Social à Morte Física”, em português, houve o Lançamento das versões Inglês e Espanhol, disponibilizada no site da Rede Trans Brasil.

Durante o encontro foram discutidas estratégias e apresentado um conjunto de iniciativas em prol da cidadania Trans, realizadas no ano que passou, dentre elas estão as ações de advocacy no Congresso Nacional Brasileiro. “Em 2019 mapeamos os deputados/as federais e senadores/as, com o intuito de identificar parlamentares favoráveis à causa LGBT, contrários, ou ainda não mobilizados/as. Após o mapeamento, identificamos os parlamentares integrantes dispostos/as a compor uma frente Pró-LGBT, para que compreendam as especificidades da pauta Trans em relação direta com suas identidades de gêneros”, relatou Tathiane Araújo, presidenta da Rede Trans Brasil e Coordenadora das ações da Semana da Visibilidade Trans.

Deixe um comentário