Oportunizar consegue apoio das gestões municipal e estadual do Espírito Santo

Reunião com a Secretaria Municipal de Cidadania, Direitos Humanos e Trabalho

A coordenação do projeto Oportunizar, segue a agenda de advocacy na capital capixaba, estabelecendo contatos com as gestões municipal e estadual que são estratégicos para o desenvolvimento da capacitação e empregabilidade da população trans.

No dia 1º de dezembro, a equipe do Oportunizar esteve no Centro Integrado de Cidadania de Vitória (CIC), também conhecido como Casa do Cidadão, para dialogar com a gestão municipal, representada pela Secretária Municipal de Cidadania, Direitos Humanos e Trabalho, Neuza de Oliveira, a secretária executiva, Adriana Bazon, a gerente de Políticas de Cidadania e Direitos Humanos, Renata Segóvia, além do gerente de encaminhamento ao mercado de trabalho do Sine Vitória, Antônio Carlos Barbieri, e a assistente social da Coordenação de Diversidade, Juliana Boechat.

A secretária indicou integrações com os sistemas EJA (Educação de Jovens e Adultos) e Sine (Sistema Nacional de Emprego), e ainda se ofereceu para facilitar a tramitação de proposições de leis relacionadas à população trans, repassando mais rapidamente ao prefeito. Tathiane aproveitou para citar a reunião com a vereadora Camila Valadão, sugerindo que a secretária trabalhe em contato com ela. Já o gerente de encaminhamento do Sine vai disponibilizar vagas exclusivas para pessoas trans, assim que um banco de dados da demanda da população trans for entregue pela educadora Liliane Caldeira.

Reunião com o governador Renato Casagrande

A última reunião foi com o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, no Palácio Anchieta, centro de Vitória. Após assistir à apresentação da coordenadora do Oportunizar, o governador declarou apoio ao projeto, e disse conceder autonomia às pastas de seu governo para trabalhar em parceria, nomeando em especial a Secretaria de Estado de Direitos Humanos (SEDH). Estiveram presentes ao encontro Nara Borgo, Secretária Estadual de Direitos Humanos, Rogério Scandyan e Renan Cadais, da Gerência de Diversidade Sexual e Gênero da SEDH, além do militante Joãozinho Flores e do professor Marcelo, que atua em terras indígenas.

Deixe um comentário