Cartilha da Saúde do Homem Trans e Pessoas Transmasculinas

Cartilha da Saúde do Homem Trans e Pessoas Transmasculinas Aqui você pode baixar a cartilha feita para os Homens Trans e Pessoas Transmasculinas, mas você que não é um Homem Trans também pode ler e conhecer um pouco mais esse universo. Cartilha lançada no dia 29/01/2018, dia da visibilidade trans, junto com a atividade realizada …

Ler mais…Cartilha da Saúde do Homem Trans e Pessoas Transmasculinas

Transexual será indenizada por ser ofendida em programa de humor.

Uma mulher transexual que foi ofendida em programa radialístico de humor será indenizada por dano moral. A decisão é da 45ª vara Cível de SP, que fixou o quantum indenizatório em R$ 15 mil.

A autora alegou que os locutores se referiram a ela de forma pejorativa, com foco em sua transexualidade. A rádio, por sua vez, argumentou que não teve relação com o que foi dito no ar, pois não criou as falas e nem pediu que o assunto fosse abordado. Também afirmou que “o pleno exercício do humor (…) é albergado pela liberdade de manifestação do pensamento”.

Ao julgar o caso, o magistrado afirmou que a situação envolve “a ponderação sobre os limites da atividade humorística, como manifestação do pensamento e atividade artística, em relação à dignidade da pessoa humana transexual”.

“Por este prisma, tais palavras ofensivas e pejorativas – longe de qualquer interesse público quanto às preferências/opções sexuais da pessoa humana – falam per se e deixam solarmente claros o excesso e a violação objetiva a certos atributos da personalidade da autora, quadro a caracterizar o chamado dano in re ipsa, que dispensa prova de maiores reflexos, patrimoniais ou morais.”

Para o juiz, a atuação dos humoristas, patrocinados pela rádio, ultrapassou as fronteiras do regular/legítimo e alçou contornos do abuso.

O caso tramita em segredo de Justiça.

Informações: TJ/SP

 

Rio de Janeiro, 18 de Abril de 2018 – Reunião sobre o IMPreP

O ImPrEP, Projeto para Implementação da Profilaxia Pré-exposição ao HIV no Brasil, no México e no Peru, foi lançado oficialmente em uma solenidade realizada no dia 12/07/2017, no campus da Fundação Oswaldo Cruz-FIOCRUZV, em Manguinhos (RJ). O projeto tem como objetivo contribuir para a implementação da Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) como estratégia de prevenção ao HIV nos três países citados acima, focando nos grupos populacionais mais expostos ao vírus: homens que fazem sexo com homens, mulheres transexuais e travestis.
Algumas instituições nacionais foram convidadas a se fazerem presentes para participar de uma reunião exclusiva com o movimento trans do Rio de Janeiro e representações do movimento social nacional. O projeto já está presente em 15 centros pelo país, sendo possível encontrá-lo em 12 cidades, dentre elas nos estados da Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Sul.
Apesar de o projeto ser especifico para HSH, Mulheres Travestis e Transexuais, dos três países citados, o Brasil foi o único que também se propôs a trabalhar a adesão de Homens trans e jovens de 15 a 19 anos que se encaixam nas características possíveis para ter acesso a PReP.
A Rede Trans, com a experiência pioneira no Brasil de aplicação de censo demográfico da população trans, pode contribuir com a experiência de está com essa população diariamente, além da prevenção e distribuição dos insumos feitas pelas instituições associadas a REDE, pode-se também elaborar um questionário exclusivo para pessoas trans que foi aplicado em 2017, que futuramente colaborará para um numero quantitativo de pessoas trans no Brasil por amostragem.
Na oportunidade a Rede TRANS, pode dar dicas de como a FIOCRUZ poderia aplicar e chegar nesse recorte populacional desse segmento, uma vez que sofrerem tantos estigmas e acabam se sucumbindo ao mercado da prostituição e encontrando-as apenas nas ruas onde oferecem seus trabalhos sexuais.
A Rede TRANS propôs que o questionário que a FIOCRUZ pretende elaborar para a pesquisa no IMPreP , fosse feita em duas versões, uma impressa (física) e outra on line, na física era primordial usar uma linguagem inerente a usada pela população e de fácil entendimento, também que a aplicação dos questionários fossem feitas pelos seus pares, ou seja, de trans para trans, e por fim, falou-se do horário, que deveria ser noturno e além dos pontos de prostituição, a pesquisa tivesse aderência em republicas e locais freqüentados por trans, por fim a Rede agradeceu a participação nessa reunião e pousou pra fotos com as lideranças locais do Rio de Janeiro.

IV Semana da Visibilidade Trans Hanna Suzart

Venha participar da nossa “IV Semana da Visibilidade Trans Hanna Suzart” que será realizada entre os dias 29/01/2018 à 02/02/2018, em Brasília – DF. Você é o nosso convidado para participar dessa programação, onde estaremos lutando pelo reconhecimento da nossa população e por nossos direitos.